Home / História da Publicidade /

Publicidade e Marketing: como será a publicidade do futuro?

Publicidade e Marketing: como será a publicidade do futuro?

A publicidade está a sofrer uma revolução nos dias em que vivemos e o resultado de tal revolução será ditado no campo de trabalho… e no futuro! Não é novidade nenhuma que as formas tradicionais de publicidade estão a ser questionadas, ao ponto de podermos perguntar se aquilo que resta poderá ainda ser chamado de “publicidade”. Mesmo que tais mudanças não sejam suficientes para decretarmos o fim da forma como promovemos conteúdos, é seguro dizer que vivemos numa nova era.

Todos os anos Mary Meeker, especialista da Kleiner Perkins Caufield & Byers (KPCB) – uma firma de investimentos sediada na Califórnia – divulga as suas “tendências internet” para o ano em curso.

Em 2016, a especialista apresentou algumas ideias para reflexão que nos fazem interrogar sobre o futuro dos media e da tecnologia. No entanto, segundo Meeker, existem três tendências que vão ditar a publicidade do futuro.

Em primeiro lugar, há o facto observável de os utilizadores de internet estarem a utilizar cada vez mais as plataformas de comunicação para partilhar informação. Sem sombra de dúvidas, este fenómeno e que se torna cada vez mais comum em todo o mundo faz-se sentir sobretudo entre as gerações mais novas.

Em segundo lugar, a crescente adoção dos bloqueadores de anúncios, como o AdBlocker, para limitar a publicidade que é exibida nos sites e nas plataformas que utilizam. Esta tendência, que tem alertado muitos anunciantes, faz-nos questionar o que pode ser efeito para resolver esta crise que afeta a publicidade.

Por fim, a tendência para marcas e anunciantes estarem presentes diretamente nas plataformas que os indivíduos utilizam, tornando os fluxos sociais que existem nessas redes em fluxos comerciais. A combinação destes três fenómenos diz muito sobre o que será aquilo que poderá ser a publicidade do futuro.

   

Publicidade do futuro: entender as suas origens e ramificações

A publicidade moderna nasceu, cresceu e evoluiu com os meios de comunicação social. Todavia, com a migração para o digital e a distribuição de informação através de canais de comunicação organizados em rede, o que acontece necessariamente é uma transformação total que afeta tanto os media tradicionais como as marcas e os anunciantes que comunicam através deles.

Hoje já não se trata apenas de substituir os “velhos media” por “novos media” – ao contrário do que muita gente parece supor. O que está em causa é a supressão do intermediário, uma vez que no novo paradigma de comunicação digital na sociedade em rede todos os utilizadores podem comunicar e controlar os seus fluxos comunicativos e todos estão ligados a todos sem imperativo de usarem um único canal.

São os media capazes de controlar o fluxo de informação na era da comunicação em rede? Esta é uma questão real, mas que precisa de um acrescento: temos de questionar também a capacidade dos anunciantes para controlarem o impacto da publicidade num mundo em que os canais de informação são abundantes e as ferramentas para gerir os fluxos de informação são cada vez mais comuns e fáceis de usar.

De certo modo, a adoção destas tecnologias de informação e comunicação “distribuídas” corresponde a uma transferência de poder dos media e dos anunciantes para os utilizadores. Dito de outro modo, no mundo digital em rede, o traço comum a ambas as indústrias relacionadas – os media e a publicidade – é a crescente capacidade dos utilizadores para serem eles próprios a controlar e gerir todos os aspetos dos seus fluxos de informações, sejam elas notícias sobre assuntos de atualidade ou informações sobre um determinado produto.

+ de 30.000 Subscritores

Junte-se à nossa comunidade e receba em primeira mão o nosso conteúdo.


O seu nome*

O seu e-mail

 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *