Home / Design /

História da Gráfica: os dias da impressora Stanhope e do teclado Linotype

stanhope

História da Gráfica: os dias da impressora Stanhope e do teclado Linotype

Esta é a terceira parte de uma série de artigos que se vão focar na história das artes gráficas. Se bem se recorda, nos artigos anteriores recordamos as origens da imprensa, no qual se incluem o surgimento do papel e a conceção do livro, assim como os avanços desenvolvidos até ao século XVII. É a partir desse ponto que continuamos esta jornada.

Viajemos então até 1710, quando o pintor e gravador alemão Jakob Christof Le Blon produz a primeira gravura em várias cores. Este era um método de impressão inovador que permitia gravar em três placas de metal. Cada placa era coberta com uma cor diferente, usando vermelho, amarelo e azul. Mais tarde, era adicionada uma quarta placa, com linhas pretas. Esta técnica ajudou a formar a base para a impressão a cores moderna. Mas este era apenas um desenvolvimento de um método já em uso: Le Bon baseia-se em grande parte na teoria de Newton, publicada em 1702, que afirmava que todas as cores no espectro são compostas por três cores primárias, azul, amarelo e vermelho.

Não muito depois, William Caslon contribui também de forma extraordinária para o desenvolvimento das artes gráficas. Caslon é um tipógrafo inglês cuja fundição opera em Londres há mais de 200 anos. A sua fonte Caslon Roman Old Face é desenvolvida entre 1716 e 1728: as letras são modeladas em tipos holandeses, mas são mais delicadas e não tão monótonas. Os tipos de letra continuam a ser populares e as versões digitais ainda hoje estão disponíveis e continuam a ser usadas.

Entretanto, é em 1731 que a revista Gentleman’s é publicada pela primeira vez. Geralmente considerada a primeira revista de interesse geral, a publicação mantém-se ininterrupta até 1922. Em 1732, Benjamin Franklin estabelece a sua própria impressora nos Estados Unidos, que se torna a torna-se a editora da Pensilvânia Gazette. Entre as suas publicações, o Almanaque de Poor Richard torna-se o mais famoso.

Alois Senefelder inventa a litografia em 1796 e usa-a como um método de baixo custo para a impressão de obras teatrais. De uma forma mais refinada, a litografia ainda é a técnica de impressão que domina o mercado de hoje.

Outra pessoa famosa desta época é Giambattista Bodoni, que cria uma série de tipos de letra que carregam o seu nome e que ainda são frequentemente usados ​nos dias de ​hoje. Eles são caracterizados pelo contraste acentuado entre as hastes verticais grossas e as linhas horizontais finas.

A impressora Stanhope

Em 1800, Charles Stanhope, o terceiro Conde de Stanhope, constrói a primeira imprensa que tem uma armação de ferro em vez de uma de madeira. Esta impressora Stanhope é mais rápida, mais durável e pode imprimir folhas maiores. Alguns anos mais tarde, Friedrich Gottlob Koenig e Andreas Friedrich Bauer realizaram outra melhoria de desempenho semelhante, com uma estrutura que tinha como base cilindros. A sua empresa ainda hoje existe e é conhecida como KBA.

Em 1837, Godefroy Engelmann recebe uma patente sobre cromolitografia, um método para imprimir em cores usando litografia. Chromolithographs ou cromos são usados ​​principalmente para reproduzir pinturas. O anúncio abaixo é de final do século XIX e mostra o que pode ser alcançado usando esta técnica de impressão em cores. Outra técnica popular é o processo fotocromático, que é usado principalmente para imprimir cartões postais de paisagens.

   

O Illustrated London News é o primeiro jornal semanal ilustrado do mundo, uma novidade impactante para aquela época, especialmente tendo em conta que custava cinco pence em 1842. Um ano depois, Sir Henry Cole confia ao pintor inglês John Callcott Horsley para fazer a arte de (sem dúvida) o primeiro cartão de Natal comercial. Cerca de 1000 cartões são impressos e coloridos à mão. Dez deles ainda existem hoje.

Ao mesmo tempo, o inventor americano Richard March Hoe constrói a primeira impressora rotativa litográfica, uma prensa na qual as letras são colocadas num cilindro giratório em vez de uma plataforma, permitindo acelerar consideravelmente o processo de impressão.

O pintor checo Karel Klíč inventa a fotogravura em 1878, um processo que é mais tarde usado para reproduzir fielmente o detalhe e os tons contínuos das fotografias. Em 1866, quando Ottmar Mergenthaler inventa a máquina de composição Linotype, dá-se um grande passo em frente. Com este tipógrafo, um operador pode inserir texto usando um teclado de 90 caracteres e a máquina emite o texto como slugs, que são linhas de tipo metálico.

O Circus Internacional de Lothar Meggendorfer é um bom exemplo da qualidade que poderia ser alcançada naqueles dias. Este livro pop-up contém seis cenas pop-up de atos de circo, incluindo acrobatas, palhaços e cavaleiros temerários.

Em 1890, Bibby, Baron and Sons criam a primeira imprensa flexográfica. Este tipo de imprensa usa o relevo numa placa de impressão de borracha para armazenar a imagem que precisa de ser impressa. Como a tinta que é usada naquela primeira pressão flexográfica esfumaça facilmente, o dispositivo é conhecido como Bibby’s Folly.

 

Partilhar este post

Deixar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *