Home / Design /

História da Gráfica: o mundo da impressão em pleno século XXI

impressão moderna

História da Gráfica: o mundo da impressão em pleno século XXI

Esta é a quarta e última parte de uma série de artigos que relatam os passos principais da história da gráfica. Recapitulando a jornada que percorremos até aqui, nos artigos anteriores recordamos as origens da imprensa, no qual se incluem o surgimento do papel e a conceção do livro, assim como os avanços desenvolvidos até ao século XX. É a partir desse ponto que continuamos esta jornada, levando-o até à atualidade.

Estamos então no início do século XX, a alguns anos de distância da I Guerra Mundial. No ano de 1903, a impressora americana Ira Washington Rubel torna-se fundamental na produção da primeira prensa offset litográfica para papel. Este foi um avanço que propulsionou as artes gráficas de uma forma rápida e revolucionária.

Três anos depois, o Le Petit Larousse Illustré, uma enciclopédia de um único volume, é publicada pela primeira vez. Também por esta altura, em 1907, o inglês Samuel Simon recebe uma patente para o processo de utilização de tecido de seda como tela de impressão. A serigrafia rapidamente se torna popular para produzir papel de parede caro e a impressão em tecidos como linho e seda começa. Ainda assim, como a história da gráfica já nos mostrou, esta não era uma técnica totalmente nova: a serigrafia já era usada na China durante a Dinastia Shang (960-1279 dC).

Os novos fabricantes e a impressão moderna

Alguns dos novos fabricantes de imprensa que aparecem no mercado são Roland (hoje conhecido como Man Roland), em 1911, e Komori Machine Works, em 1923. A primeira série comercialmente bem-sucedida de livros de bolso foi publicada pela Penguin Books no Reino Unido, em 1935.

Já antes disso, em 1931, a editora alemã Albatross Books já havia tentado comercializar uma série de livros de menor preço com uma capa de papel. A partir daqui, a Penguin começa a copiar muitos dos conceitos da sua tentativa falhada, como o uso de capas codificadas por cores.

Em 1938, Xerography, uma técnica de fotocópia seca, é inventada por Chester Carlson. A primeira copiadora xerográfica comercial é introduzida em 1949, mas é a copiadora de papel comum Xerox 914 de 1959 que realmente avassala o mercado.

   

Nos EUA, a circulação do jornal atinge o seu pico em 1973. Esta é uma tendência que permanecerá bastante estável até que um declínio gradual se estabeleça em meados dos anos 80.

Por esta altura, estão a surgir as primeiras impressoras a laser, como a IBM 3800 e a Xerox 9700, que atingem o mercado em 1975. São proibitivamente caras, mas são úteis para aplicações como impressão de cheques.

A edição de desktop chega ao mercado em 1985. A combinação do computador Apple Macintosh, impressoras e imagens instaladas por Adobe PostScript, tal como a aplicação layout Aldus PageMaker torna a publicação mais acessível.

Em 1992, a Austrália é o primeiro país a usar notas de polímero para circulação geral. A impressão digital lança em 1993 com a introdução do Indigo E-Print 100 (mostrado abaixo) e Xeikon DCP-1.

As impressões offset, contudo, continuam a evoluir de forma incremental. Dois exemplos principais são a introdução da Cortina KBA, uma imprensa sem água para jornais e semi-comerciais, em 2000, e a introdução do gigante Goss Sunday 5000, a primeira imprensa de 96 páginas. Uma série de mudanças maiores acontecem na impressão digital com máquinas que evoluem tão rápido quanto as empresas que as produzem.

 

Partilhar este post

Deixar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *